Acesso à Informação Portal de Estado do Brasil  
Acesse também
Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil
Sub-rede recuperAMAZ
PROETA
Programa de Apoio ao Desenvolvimento de Novas Empresas de Base Tecnológica e Transferência de Tecnologia
Catálogo de Produtos e Serviços
Ao alcance de todos
Prosa Rural
Programa de rádio produzido pela Embrapa
Espécies Arbóreas da Amazônia
Agência de Informação da Embrapa
Núcleos de Apoio à Pesquisa e Transferência de Tecnologia
No interior do Pará
Livraria Embrapa
Adquira publicações da Embrapa
 
Sections
You are here: Home Noticias 2007 Agosto 2ª semana Cultivares de arroz de sequeiro favorecem a produção de grãos
Cultivares de arroz de sequeiro favorecem a produção de grãos (2007-08-13)


O arroz de sequeiro, ou de terra firme, responde por mais de 95% da produção de arroz no Pará. Trata-se, portanto, de uma cultura de fundamental importância sócio-econômica, adotada tanto por grandes como por médios, pequenos e mini produtores rurais. Para os grandes produtores, o arroz de terra firme antecede a implantação de pastagens e visa também à rotação com a soja, além do abastecimento dos grandes centros urbanos. Para os produtores de menor porte, a cultura é um verdadeiro sustentáculo da agricultura familiar. Uma cultura alimentar tão importante ganhou da Embrapa Amazônia Oriental a atenção que merece. Foram lançadas - e recomendadas - as cultivares Xingu, Araguaia, Primavera, Canastra, Carajás, Progresso, Maravilha, Bonança, Talento e Soberana, todas com boa produtividade e perfeitamente adaptadas do ponto de vista agronômico. O resultado é que essas cultivares já estão popularizadas na agricultura paraense. Assim, a produção só poderia aumentar e entre 1990 e 2003, por exemplo, a produção de arroz em casca no Pará, subiu de 148 mil toneladas para 502 mil toneladas - um crescimento de nada menos que 340%. Outros números traduzem com mais profundidade a evolução dessa cultura: a área colhida passou de 127 mil hectares para 254 mil hectares, o que significa um incremento de 100%; e o rendimento de grãos por hectare teve um aumento de 64%, passando de 1.160 kg/ha para 1.900kg/ha.